Analise SWOT Matriz SWOT

7 min de leituraAnálise SWOT: o que é e como fazer a matriz SWOT na sua empresa

Análise SWOT ou Matriz SWOT – como você preferir – existe para ajudar decisivamente no planejamento estratégico por parte dos gestores de qualquer empresa que deseja crescer de forma ordenada.

Otimizar processos é tudo o que você quer, não é mesmo? Para essa tarefa, é muito comum o uso da matriz SWOT. Afinal, para iniciar os próximos passos dos seus negócios, é preciso estar seguro do que será feito, da direção a ser tomada.

Sua origem, em forma de matriz, existe para que ela possa ser facilmente elaborada e posteriormente analisada por todos.

A intenção deste artigo, portanto, é mostrar de forma clara como ocorre a análise SWOT e como ela é uma aliada estratégica importante das empresas.

Passaremos pelo seu conceito, como ela é elaborada e também analisada. Além disso, compartilharemos algumas aplicações dela para que você possa entender de forma didática.

Sua empresa busca resultados melhores, sempre, e você é cuidadoso com os seus negócios. Nosso intuito é empoderar você sobre o uso da análise SWOT para potencializar os seus resultados.

Vamos lá?

Boa leitura!

O que é análise SWOT

Descubra o que é a análise SWOT e como fazer na sua empresa.

Então, o que é análise SWOT?

Do inglês, SWOT pode ser desmembrado em: Strenghts (força), Weakness (fraquezas), Opportunities (oportunidades) e Threats (ameaças)

Talvez você já tenha visto o termo análise FOFA (Forças, Ameaças, Fraquezas e Oportunidades). Trata-se da mesma coisa – apenas “abrasileirada”.

Análise FOFA ou análise SWOT, não importa, ambas tem o mesmo foco, que é no planejamento estratégico das empresas e também de projetos novos.

Afinal, trata-se de um diagnóstico não só dos negócios como especialmente do contexto onde ele está ou deseja estar inserida.

Do resultado da análise SWOT surge a matriz SWOT e é através dela que empreendedores conseguem identificar fatores a serem trabalhados – tanto positivos, quanto negativos – para potencializar seus negócios.

Sua origem, embora não oficial, data dos anos 60, da Universidade de Stanford, California/EUA. É creditada ao estudo realizado por Albert Humphrey com centenas de empresas à época.

Entendi, mas qual a utilidade da análise SWOT?

Todo novo projeto, ou novo caminho a ser seguido por alguma empresa deve ser cercado de cuidados. Dentro desta realidade entra a análise SWOT, que é fundamental para fortalecer a tomada de decisão.

Não importa o tamanho dos seus negócios, a matriz SWOT pode ajudar qualquer um a tomar decisões mais assertivas depois de se entender o todo.

Dentre os benefícios de sua aplicação, podemos destacar alguns como:

  1. Segurança para tomada de decisões;
  2. Leitura do contexto em que se está ou deseja estar inserido;
  3. Compreender concorrentes e prever cenários;
  4. Mapear ações para crescer no mercado em que se atua.

É comum que gestores façam a análise SWOT, mas, é como diz aquele ditado:

“Duas cabeças pensam melhor do que uma”.

Portanto, embora o gestor tenha uma visão mais estratégica dos negócios, quando todos da empresa são envolvidos fica mais fácil de entender o contexto do negócio e do mercado.

Além de ser possível identificar cenários que se repetem, a opinião de especialistas técnicos em cada área torna esse resultado mais autêntico.

Sem falar que isso mostrará a importância que os colaboradores têm para a empresa – o que é essencial para a motivação dos mesmos. Por isso, momentos como o do feedback são tão importantes para qualquer negócio.

Analisando fatores para criar a matriz SWOT

Para conseguir construir a matriz SWOT, é necessário ter atenção a dois itens básicos especialmente. Duas análises, na verdade: de fatores internos e fatores externos.

O primeiro expõe as forças e as fraquezas que o seu negócio tem. Já o segundo aborda oportunidades e também as ameaças existentes.

Dito isso, vamos aprofundar um pouco mais nesses dois itens.

Fatores da análise SWOT

Entenda os fatores que interferem na análise SWOT.

Analisando fatores internos

Primeiro de tudo, listamos alguns pontos que devem ser analisados na hora de criar a matriz SWOT. Eles identificarão, dentro de sua organização, o que é forte e o que é fraco.

Fique, então, atento à:

  • localização da sua empresa;
  • reputação construída;
  • tempo de mercado;
  • recursos financeiros disponíveis;
  • recursos humanos disponíveis;
  • gestão de pessoas;
  • desempenho do marketing;
  • capacidade de endividamento;
  • estrutura física, entre outros.

Esses são alguns itens essenciais para realizar o autorreconhecimento perante o contexto em que se está imerso. Olhar para dentro, de início, é essencial. Só assim será possível ter claro no que sua empresa é forte e no que não é.

Tendo esses pontos claros e mapeados, fica mais fácil saber no que focar – por isso é importante a participação de todos os colaboradores, como citamos anteriormente.

Claro que não é fácil agir para corrigir todas as defecções imediatamente. Tampouco há uma fórmula mágica para isso.

Neste momento, cabe ao gestor identificar o que é prioridade a ser corrigido. O que é vital para que a empresa consiga os resultados que deseja e definir ações que possam consertar o quanto antes isso.

Da mesma maneira, os pontos que são positivos devem ser exaltados – e novamente entra o papel dos gestores.

Quais destes são seus diferenciais no mercado? Saiba identificar, explore e potencialize eles. Tenha sempre um bom relacionamento com o cliente, afinal, eles saberão dizer também no que você é bom e no que não é tanto.

Deixe claro no que você se destaca e trabalhe duro para corrigir o que você não é.

Analisando fatores externos

Oportunidades e ameaças. É para identificá-los que serve a análise dos fatores externos dentro da criação da matriz SWOT.

Diferente dos fatores internos, os externos não estão ao controle da sua empresa – eles existem independente do que você faça.

Por isso, é importante ter o máximo de atenção na hora da realizar a análise SWOT para realmente cumprir essa missão apenas no contexto em que você está.

Dentro dessa tarefa, separamos em dois movimentos: análise do macroambiente e do microambiente.

Macroambiente

Trata-se do que está além do segmento em que sua empresa atua. É uma questão muito mais ampla e abrangente, 100% fora de controle.

Os fatores a ser considerados são:

  • políticos – novos governos, projetos de lei, entre outros;
  • econômicos – inflação, investimentos, poder de compra das classes sociais;
  • sociais – escolaridade, taxa de natalidade;
  • culturais – valores, hábitos de consumo, crenças;
  • tecnológicos – novas tecnologias que podem deixar seu negócio obsoleto;
  • naturais – sustentabilidade, poluição, dificuldade de acesso.

Microambiente

Na análise SWOT, destrinchar o microambiente refere-se ao setor em que seus negócios estão.

Quais as empresas que concorrem com você? Quais os obstáculos a se contornar para crescer?

Essas são algumas questões a serem cuidadas através da análise de:

  • clientes;
  • fornecedores;
  • concorrentes;
  • intermediários;
  • barreiras de entrada e de saída;
  • entidades ou organizações com influência no segmento.
É hora de fazer a análise SWOT

Chegou o momento de fazer a análise SWOT da sua empresa.

Mãos a obra! Hora de fazer a análise SWOT

Agora que você já sabe como mapear os pontos fracos e fortes do seu negócio, vamos montar a matriz SWOT?

Vamos pegar um exemplo concreto para ficar mais fácil o atendimento. Digamos que você pretende colocar um restaurante de frutos do mar (uma filial) na beira da praia de uma capital de um dos Estados mais visitados do Brasil.

Depois de conversar com todos os colaboradores, analisar fatores internos e externos, o gestor chegou ao seguinte diagnóstico:

Forças:

  • Excelente localização;
  • Ótima comida;
  • Atendimento diferenciado.

Fraquezas:

  • Pouca divulgação;
  • Alto custo dos pratos.

Oportunidades:

  • Clima que favorece o turismo o ano inteiro;
  • Recuperação econômica do país.

Ameaças

  • Falta de segurança pública.

Como mudar esse cenário?

A partir de agora que você já sabe exatamente no que é bom e no que não é, e em como os fatores externos ajudam ou prejudicam você, fica muito mais fácil saber o que fazer.

  • Para o problema de insegurança, faça um convênio com algum estacionamento na região ou então parceria com aplicativos de corrida para descontos aos clientes;
  • Para o restaurante ser conhecido, invista em divulgação em hotéis, centro de visitantes, entre outros;
  • Para os preços da comida não espantar clientes, invista em promoções ou então em descontos em site de compras coletivas.

Esses são só alguns exemplos do que pode ser feito após a realização da análise SWOT.

Cabe a cada gestor entender sua realidade e adaptar, dentro das possibilidades, mudanças que possam ser saudáveis aos negócios.

O importante é sempre estar atendo ao que ocorre e ter os colaboradores como aliados para discutir soluções e procurar as melhores práticas sempre.

Desta forma, é muito mais fácil identificar gargalos, vender mais e melhor e crescer!

E aí, como podemos te ajudar?

Se você ficou com alguma dúvida, ou quer falar sobre o gerenciamento de vendas de sua empresa, fale com um consultor hoje mesmo.

Aproveite e leia dois artigos, em nosso blog, que podem ser úteis para você.

O primeiro aborda o que é matriz BCG e porque é importante entender o seu conceito.

Já o segundo fala sobre como a metodologia ágil aprimora processos internos e potencializa o trabalho de todos os colaboradores em uma empresa.

E se estiver faltando inspiração para você, aproveite e leia nossas frases motivacionais para você ir mais longe!

Boas vendas!

Um abraço do PipeRun, o seu CRM. #RunPipeRun

Equipe de Redação
conteudo@odig.net