Análise SWOT: o que é e como fazer a matriz SWOT? Veja tudo aqui!

Analise SWOT Matriz SWOT

Análise SWOT ou Matriz SWOT é uma metodologia que serve para ajudar as empresas a crescer. Ela atua de forma decisiva no planejamento estratégico e ajuda gestores a organizarem essa “escalada”.

Otimizar processos é tudo o que você quer, não é mesmo? Para essa tarefa, é muito comum o uso da matriz SWOT.

Afinal, para iniciar os próximos passos dos seus negócios, é preciso estar seguro do que será feito, certo? Bem como da direção a ser tomada para que nada seja perdido pelo caminho.

Por ser em forma de matriz, a SWOT pode ser facilmente elaborada e analisada por todos assim que concluída.

Portanto, a intenção deste artigo é mostrar de forma clara como ocorre a análise SWOT. É deixar evidente como ela é uma aliada estratégica crucial das empresas.

Sendo assim passaremos pelo seu conceito, sobre como ela é elaborada e também analisada. Além disso, iremos dividir algumas aplicações dela para que sua aplicação fique mais clara.

Vamos lá?

Boa leitura!

Então, o que é análise SWOT ou matriz SWOT?

Do inglês, SWOT pode ser desmembrado em 4 partes.

  1. Strenghts (força);
  2. Weakness (fraquezas);
  3. Opportunities (oportunidades);
  4. Threats (ameaças)

Talvez você já tenha visto o termo análise FOFA (Forças, Ameaças, Fraquezas e Oportunidades). Trata-se da mesma coisa – apenas “abrasileirada”.

Análise FOFA ou análise SWOT, não importa. As duas possuem o mesmo foco. Qual? O planejamento estratégico das empresas – e também de projetos novos.

Afinal, trata-se de um diagnóstico não só dos negócios. A SWOT ataca também o contexto onde ele está ou deseja estar inserido.

Do resultado da análise SWOT surge a matriz SWOT. Por meio dela que gestores conseguem identificar fatores a serem trabalhados (positivos e negativos) para alavancar seus negócios.

Embora não oficial, sua origem data dos anos 60. Ela surgiu na Universidade de Stanford, California/EUA. Seu autor? Bem, ela é creditada ao estudo realizado por Albert Humphrey com centenas de empresas à época.

Entendi, mas qual a utilidade da análise SWOT?

Todo novo projeto, ou novo caminho a ser seguido por alguma empresa, deve ser cercado de cuidados. Dentro desta realidade entra a análise SWOT, que é crucial para fortalecer a tomada de decisão.

Não importa o tamanho dos seus negócios. A matriz SWOT poderá ajudar qualquer um a tomar decisões mais assertivas após entender o contexto geral.

Dentre os benefícios de sua aplicação, podemos destacar alguns como:

  1. Segurança para tomada de decisões;
  2. Leitura do contexto em que se está ou deseja estar inserido;
  3. Ler os concorrentes e prever cenários;
  4. Mapear ações para crescer no mercado em que se atua.

É comum que gestores façam, sozinhos, a análise SWOT. Mas, você conhece bem aquele ditado…:

“Duas cabeças pensam melhor do que uma”.

Ou seja, é preciso trazer mais pessoas para a ação. Embora o gestor tenha uma visão mais estratégica dos negócios, é preciso pensar no todo.

Certamente, quando todos da empresa são envolvidos, fica mais fácil de entender o contexto do negócio e do mercado.

Além de ser possível identificar cenários que se repetem. Então, tenha a opinião dos técnicos em cada área para tornar os resultados mais autênticos.

Sem falar que isso mostrará a importância que os colaboradores têm para a empresa. Isso é essencial para a motivação deles.

Quais os 4 elementos da análise SWOT

Para construir a matriz SWOT, é preciso atenção com dois itens básicos. Duas análises, na verdade: de fatores internos e fatores externos.

O primeiro expõe as forças e as fraquezas que o seu negócio tem. Já o segundo aborda oportunidades e também as ameaças existentes.

Dito isso, vamos aprofundar um pouco mais nesses dois itens.

Analisando fatores internos

Em primeiro lugar, listamos alguns pontos de análise para criar a matriz SWOT. Eles irão identificar, dentro de sua organização, o que é forte e o que é fraco.

Fique, então, atento para a:

  • localização da sua empresa;
  • reputação construída;
  • tempo de mercado;
  • recursos financeiros disponíveis;
  • recursos humanos disponíveis;
  • gestão de pessoas;
  • desempenho do marketing;
  • capacidade de fazer dívidas;
  • estrutura física, entre outros.

Esses são alguns itens vitais para a autoanálise no contexto em que se está imerso. O olhar para dentro, de início, é essencial. Só assim é possível ter claro no que sua empresa é forte e no que não é.

Ou seja, ao ter esses pontos claros e mapeados, fica mais fácil saber no que focar. Por isso é vital a participação de todos os colaboradores como citamos acima.

Por outro lado, claro, não é fácil agir para corrigir todas as falhas de imediato. Da mesma forma não há uma fórmula mágica para isso.

Nesta hora, cabe ao gestor ver o que é prioridade a ser corrigido. O que é crucial para que a empresa consiga os resultados que deseja. Além disso, claro, definir ações que possam consertar o quanto antes isso.

Na mesma linha, os pontos que são positivos devem ser exaltados. E aqui entra, outra vez entra o papel dos gestores.

Quais destes são seus diferenciais no mercado? Saiba identificar, explorar e elevar elas.

Tenha sempre um bom relacionamento com o cliente. Afinal, eles saberão dizer também no que você é bom de fato.

Da mesma forma, deixe claro no que você se destaca e trabalhe duro para corrigir as falhas.

Analisando fatores externos

Oportunidades e ameaças. É, para identificá-los, que serve a análise dos fatores externos dentro da criação da matriz SWOT.

Diferente dos fatores internos, os externos não estão ao controle da sua empresa. Eles sempre irão existir e há muito pouco a se fazer para impedi-los.

Por isso, é crítico ter o máximo de atenção na hora da realizar a análise SWOT. Acima de tudo, ela precisa cumprir a missão apenas no contexto em que você está.

Como resultado, separamos essa tarefa em dois momentos. A análise do macroambiente e a do microambiente.

Macroambiente

Trata-se do que está além do segmento em que sua empresa atua. É uma questão muito mais ampla e abrangente, 100% fora de controle.

Acima de tudo, os fatores a serem considerados são:

  • políticos – novos governos, projetos de lei, entre outros;
  • econômicos – inflação, investimentos, poder de compra das classes sociais;
  • sociais – escolaridade, taxa de natalidade;
  • culturais – valores, hábitos de consumo, crenças;
  • tecnológicos – novas tecnologias que podem deixar seu negócio obsoleto;
  • naturais – sustentabilidade, poluição, dificuldade de acesso.

Microambiente

Na análise SWOT, detalhar o microambiente refere-se ao setor em que seus negócios estão.

Quais as empresas que concorrem com a sua? Quais as barreiras a se contornar para crescer?

Essas são algumas questões a serem cuidadas através da análise de:

  • clientes;
  • fornecedores;
  • concorrentes;
  • intermediários;
  • barreiras de entrada e de saída;
  • entidades ou organizações com influência no segmento.

Como fazer uma análise SWOT?

Agora que você já sabe como mapear os pontos fracos e fortes do seu negócio, vamos montar a matriz SWOT?

Por exemplo, digamos que você pretende abrir um restaurante de frutos do mar. Uma franquia, na verdade. E ele ficará localizado na beira da praia de uma capital de um dos Estados mais visitados do Brasil.

Posteriormente, o gestor conversou com todos. Ouviu opiniões de especialistas e de outras pessoas que também têm estabelecimentos semelhantes.

Então, ele chegou ao seguinte diagnóstico:

Forças:

  • Excelente localização;
  • Ótima comida;
  • Atendimento diferenciado.

Fraquezas:

  • Pouca divulgação;
  • Alto custo dos pratos.

Oportunidades:

  • Clima que favorece o turismo o ano inteiro;
  • Recuperação econômica do país.

Ameaças

  • Falta de segurança pública.

Como mudar esse cenário?

A partir de agora você já sabe com precisão no que é bom e no que não é. Além disso, já entende como os fatores externos ajudam ou prejudicam você.

Como resultado, fica muito mais fácil saber o que fazer!

Para…

  • o problema de insegurança, faça um convênio com algum estacionamento na região. Ou, então, realize parceria com aplicativos de corrida para descontos aos clientes;
  • o restaurante ser conhecido, invista em divulgação. Hotéis, centro de visitantes, entre outros podem ser boas saídas;
  • os preços da comida não espantar clientes, invista em promoções ou então em descontos em site de compras coletivas.

Esses são só alguns exemplos do que pode ser feito após a realização da análise SWOT.

Cabe a cada gestor entender sua realidade. Como resultado, a partir disso adapte mudanças que possam ser saudáveis aos negócios.

Acima de tudo, esteja atento a o que ocorre. Sempre. Além disso, tenha seus colaboradores. Discuta com eles soluções e procure as melhores práticas.

Sendo assim, é muito mais fácil identificar gargalos, vender mais e melhor e crescer!

E aí, como podemos te ajudar?

Se você ficou com dúvida ou quer saber mais sobre como planejar vendas e crescer: FALE COM UM CONSULTOR.

Aproveite e leia dois artigos, em nosso blog, que podem ser úteis para você.

O primeiro aborda o que é matriz BCG e porque é importante entender o seu conceito.

Já o segundo fala sobre a metodologia ágil. Ela aprimora processos internos e eleva o trabalho de todos na empresa.

Boas vendas!

Um abraço do PipeRun, o seu CRM. #RunPipeRun

Compartilhe
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no twitter
Publicidade

Acompanhe todas as novidades sobre Marketing e Vendas

Se inscreva em nossa newsletter e fique por dentro!

Sair da versão mobile