Oceano azul: o que é, benefícios, aspectos e muito mais!

Estratégia do Oceano Azul

O Oceano Azul é uma estratégia, um conceito de diferenciação competitiva utilizada por grandes empresas em todo o mundo. Desenvolvida em 2005, ela baseia-se em 8 fundamentos para as empresas “navegarem por águas mais tranquilas”.

Que o mundo de negócios é cheio de termos, palavras estranhas e expressões, você já deve saber.

Seja na hora de administrar um negócio, seja para vender, estamos sempre aprendendo (e isso é ótimo!).

A estratégia do Oceano Azul vai exatamente neste sentido, claro, com muito conteúdo.

A missão dela é explicada através de um dito popular: “um mar calmo nunca faz um bom marinheiro”.

Então, se você quer ser um bom marinheiro (no caso, gesto, certo?), é preciso explorar novas terras (mercados… ok, você já entendeu).

Encontrar oportunidades, livrar-se dos concorrentes diretos e explorar essas novas fronteiras com alta performance.

É assim que a estratégia atua: ela direciona as empresas para explorar novos caminhos, expandir suas vendas e, claro, o alcance da marca.

O artigo de hoje vai falar sobre origem, fundamentos e aplicação da estratégia do Oceano Azul.

Fique com a gente e acompanhe.

Boa leitura!

O que é a estratégia do Oceano Azul?

Estratégia do Oceano Azul

Oceano Azul é um conceito de negócios, uma estratégia que foi apresentada ao mundo em um livro com o mesmo nome.

Porém, claro, em inglês: Blue Ocean Strategy – How to Create Uncontested Market Space and Make the Competition Irrelevant.

É comum ser associado à sigla “BOS”, aliás, graças aos seus criadores, os pesquisadores W. Chan Kim e Renée Mauborgne.

O livro, lançado em 2005, já foi traduzido para 43 línguas por conta do seu sucesso – tanto teórico como prático.

A estratégia usa como base 8 pontos fundamentais e sugere, também, algumas ferramentas de gestão.

Sua ideia central para as empresas é a saída de um mar vermelho, revolto e sangrento (oriundo da concorrência acirrada) em direção a condições de navegações mais tranquilas.

Ou seja, o oceano azul, um mercado ainda pouco – ou nada – explorados.

O pensamento norteador é – e sempre será: “como eu bato o meu concorrente?”.

Se você conseguir uma nova segmentação de mercado e passar a dominá-la, então, parabéns: você está no oceano azul.

Todavia, a partir do momento que a concorrência perceber essa sua nova “terra” e for até lá, você voltará ao oceano vermelho.

Mas a grande questão que fica é: por quanto tempo uma empresa conseguirá nadar sozinha em um oceano azul?

Essa pode ser a chave, o segredo para seu negócio prosperar até a “cor da água” mudar.

Os benefícios do Oceano Azul

Estratégia do Oceano Azul

O chamado “oceano vermelho” é um cenário extremamente competitivo.

Ele faz com que as margens de lucro sejam muito pequenas ou até mesmo transformar os produtos e serviços em como commodity – o que seria bem ruim.

Ou seja, toda essa luta e digladiação para conseguir conquistar clientes pode acabar com toda tecnologia e inovação que a solução oferecida tenha.

Mesmo que se ofereça um benefício associado ao produto ou que se consiga reduzir o custo operacional, ainda assim será necessário um esforço imenso para navegar por essas águas.

Por isso que o livro traz a estratégia do Oceano Azul e bate firmemente na tecla de ““detectar e explorar novos mercados, livres de concorrentes”.

Neste sentido, antes de entrarmos nos 8 fundamentos, é preciso compreender um pouco melhor os benefícios que ela traz às empresas.

Maximizar oportunidades

Mercados que são competitivos envolvem uma expectativa enorme e orçamento restrito para contratar serviços ou adquirir produtos.

Em outras palavras, empresas que encaram um segmento com muitos concorrentes precisam estar dispostas a ter uma margem de lucro que seja pequena e oferecer um serviço com qualidade sempre altíssima e padronizada.

Todavia, a estratégia do Oceano Azul orienta as empresas a se afastarem de mercados assim e procurar um público que consumiria a solução e que, hoje, está carente de boas ofertas.

Diminuir riscos

Com o índice de ideias, é possível usar dados e estudar minuciosamente as oportunidades que existem.

O caminho que a estratégia aponta está voltada para aprimorar as inovações – até mesmo adaptar a solução – para que ela chegue no ponto desejado e atenda esse novo mercado.

Ou seja, você muda no meio do caminho: volta-se para aquele público que não era inicialmente o seu foco porque lá é onde está sua grande oportunidade.

8 fundamentos da estratégia do Oceano Azul

Estratégia do Oceano Azul

Existe, de fato, mercados que ainda não foram explorados? Há tanta gente fazendo tanta coisa…

E será que, para isso, é preciso criar um produto ou serviço completamente inovador, diferente de tudo o que já se viu, para, aí sim, encontrar um mercado inexplorado?

Bem, não é neste sentido que a estratégia atua. Um simples posicionamento de marca, algumas adaptações e pesquisas podem abrir um oceano de oportunidades para as empresas.

Esses – e outros – são os fundamentos da estratégia do Oceano Azul. Vamos entender melhor cada um deles?

1 – Utilizar dados para embasar a estratégia

O primeiro ponto que embasa a estratégia e que pode ser replicado nas empresas é usar dado e pesquisas para fundamentar uma ideia, um objetivo.

No livro, o processo de pesquisa analisou a trajetória de várias empresas e seus 150 atos – de todo o tipo – em busca de resultados melhores.

O estudo teve como referência mais de 30 indústrias e segmentos entre 1880 e 2000 (bastante coisa, não é mesmo?).

Isso ajudou a identificar mercado inexplorados e também oportunidades. Afinal, foi uma grande amostra com dado confiáveis.

Esse pensamento fez com que, por exemplo, nos últimos anos diversas empresas migrassem as suas lojas físicas para as virtuais.

A pesquisa realizada pela E-commerce Trends de 2018 mostrou que 71% dos consumidores preferem comprar online porque encontram preços mais baratos.

2 – Unir estratégias de diferenciação e baixo custo

Estratégia do Oceano Azul

Outro fundamento da estratégia trata de desmistificar que uma empresa para ser competitiva e oferecer uma solução atraente não pode se diferenciar mesmo com produtos ou serviços que custam menos.

Para isso, o objetivo aqui é reduzir esforços e gastos em soluções similares às da concorrência.

E, ao mesmo tempo, focar em diferenciais do produto ou serviço – os chamados valores inovadores.

Esses valores são identificados a partir do processo de tomada de decisão por parte dos compradores, entendendo melhor sua jornada de compra e os fatores que foram decisivos na aquisição.

Desta forma, levando em conta o que é preciso focar como diferencial, descolocando-se da mesmice, o processo de criação é otimizado para que os custos permaneçam baixos.

Se você tiver que aumentar os custos de produção, então pode ser que caia em uma armadilha: mesmo que navegue por águas mais calmas, sua margem de lucro não será a desejada.

3 – Ampliar as fronteiras do mercado

O 3º ponto focal está na identificação desses mercados que têm potencial de serem explorados.

Está em expandir as fronteiros e os públicos-alvo, bem como mudar o patamar, se necessário, do serviço ou do produto com base na oferta de valores inovadores.

Um exemplo disso é o que, no passado, a Casas Bahia fez. Ela atendeu uma camada da sociedade que ninguém atendia, de uma forma totalmente nova.

Depois, claro, a concorrência percebeu e voltou-se para o mesmo mercado.

O mesmo pode se dizer de outras iniciativas inovadoras. Exemplos disso?

App para entrega de comida ou para pessoas comuns compartilharem seus carros e ganharem dinheiro com isso.

Há oportunidades. O que precisa haver é estudo e ou desapego à sua ideia original de produto ou serviço ou uma adaptação do mesmo para atender ao novo mercado.

4 – Utilizar ferramentas para identificar oportunidades

Estratégia do Oceano Azul

A pesquisa feita pelos autores do livro ao longo dos anos permitiu que padrões fossem encontradas nas ações que surtiram efeito e trouxeram inovação às empresas.

Da mesma forma nas organizações que fracassaram e não conseguiram sair do oceano vermelho em que se encontravam.

Com base nesses estudos e nessas análises, a estratégia do Oceano Azul teve compilados de modelo de gestão, gráficos e também orientações.

Esses ligam a descoberta de valores inovadores tanto à expansão como a descoberta de novos mercados.

Há 4 fases e 6 caminhos para seguir nessa direção (sobre isso, falaremos melhor mais abaixo).

Mas, voltando: uma ferramenta que serve para sua empresa identificar oportunidades hoje é o seu CRM de vendas.

Através dele você sabe para quais segmentos você mais vende; por CNAE; região do país; a origem e sub-origem de suas vendas.

Outra forma é entender seus motivos de perda: talvez esteja aí a resposta que você precisa.

Clientes que não fechem são ótimas fontes para feedback. Eles podem estar apontando a inovação que você precisa fazer.

5 – Ser fiel às etapas de desenvolvimento da estratégia

Essas etapas permitem às empresas que possuem diferentes estruturas e são de diferentes nichos desenvolver o método para identificar qual oceano azul será explorado.

É o fundamento que garante, também, que gestores e times criem estratégias que sejam concretas, realísticas e eficientes.

E, mais do que isso: que elas sejam cumpridas, sendo fiéis ao passo a passo, potencializando de fato a chance de conseguir identificar um valor inovador a cada tentativa realizada.

6 – Maximizar oportunidades; minimizar riscos

Estratégia do Oceano Azul

Estratégias sempre irão envolver riscos, ainda mais quando o objetivo é inovar e encontrar novas oportunidades.

Todavia, o livro prega que é possível reduzir o perigo e maximizar oportunidades para testar a viabilidade das ideias.

Para tal, é necessário responder 4 questionamentos:

  1. Existe uma razão imbatível para que o cliente em potencial queiram o seu produto?
  2. A precificação está adequada para o público que a empresa deseja atingir?
  3. É possível produzir o mesmo produto com um novo valor inovador, com um preço mais atraente e ter uma margem de lucro boa?
  4. Quais são os empecilhos para a viabilização desse projeto? E o que é preciso para enfrentá-los?

7 – Estratégia e execução simultâneas

Aqui, estratégia e execução são realizadas basicamente de maneira simultânea no chamada “Processo Justo“.

Sua premissa é ter o engajamento profissional de todos da equipe e demanda uma explicação detalhada da estratégia, deixando bem claras as metas e objetivos do projeto.

Isso se dá por conta de uma série de modelos de ação que podem transformar-se facilmente em execução que o livro detalha melhor como funciona.

Esse fundamento é importante pois contribui para que o processo decisório seja feito de maneira mais assertivo, dentro do que foi planejado.

8 – Concretizar os resultados ganha-ganha

Estratégia do Oceano Azul

Criar estratégias dentro dessa filosofia permite que as empresas tenham 3 fatores-chaves alinhados:

  1. Valores inovadores;
  2. Lucro;
  3. Pessoas.

Em outras palavras:

  • A estratégia do Oceano Azul cria valores inovadores e relevantes para os clientes;
  • Traz lucros que permite que a estrutura se mantenha forte, competitiva e que remunere os investidores;
  • Faz com que os colaboradores se sintam realmente motivados e com um propósito que acreditam.

6 caminhos e 4 fases: identificando o valor inovador na estratégia do Oceano Azul

Estratégia do Oceano Azul

As análises realizadas no livro trouxeram 6 caminhos 4 fases para que as empresas identificassem formas de se diferenciar e impactar novos públicos e mercados.

  1. Analisar empresas que atuam no mesmo nicho e que podem ajudar na construção de um valor fora do padrão;
  2. Analisar empresas que oferecem produtos alternativos que atendem o seu público atual;
  3. Analisar a cadeia de compradores e entender suas peculiaridades – e até mesmo se há intermediários.
  4. Analisar os serviços complementares e entender os valores que o seu público acredita – o que pode guiar uma mudança na concepção do produto;
  5. Analisar o contexto temporal e antecipar necessidades dos clientes baseado nos seus hábitos hoje;
  6. Analisar os estímulos funcionais e emocionais que a sua solução oferece e reinventá-lo de acordo com as sensações que seu público quer sentir.

E as 4 fases?

Estratégia do Oceano Azul

A partir disso, 4 passos devem ser dados.

  1. Despertar visual. Compare sua empresa com os concorrentes e verifique o que deve ser alterado para diferenciar-se;
  2. Exploração visual. Explore os 6 caminhos acima, observe as vantagens dos outros, olhe internamente e verifique o que deve ser eliminado, mudado ou criado;
  3. Apresentação da estratégia visual. Construa uma matriz de avaliação de valor com base no que você viu e colha feedback de todos: clientes, clientes dos concorrentes e pessoas que não são clientes;
  4. Comunicação visual. Condense as informações e melhorias desenvolvidas no processo e foque naquelas que tem maior probabilidade de trazer lucros com o menor risco possível.

Assim funciona a estratégia do Oceano Azul: ela busca direcionar o seu negócio para pessoas e mercados que oferecem resultados mais eficientes.

Ou, ao menos, onde a competição é menor e você, com menos gastos e concorrência, consegue se sobressair em relação aos outros negócios.

Por isso, uma coisa é importante e você precisa ter sempre em mente: inovação.

Persiga ela o tempo inteiro. Consuma cases de sucesso. Leia o livro para entender melhor a estratégia e aprimore, cada vez mais, sua capacidade e sede por inovar.

E aí, como podemos te ajudar?

Se você quer entender melhor como CRM ajuda sua empresa a identificar melhores oportunidades de venda, fale com um consultor.

Aproveite e leia dois artigos que ajudarão você a entender melhor o comportamento de seus compradores.

O primeiro fala o que é o método NPS e como ele ajuda a entender comportamento e satisfação dos clientes.

Já o segundo aborda maneiras de definir o perfil do cliente ideal (ICP) nas empresas.

Boas vendas!

Um abraço do PipeRun, o seu CRM. #RunPipeRun

Compartilhe
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no twitter

PipeRun MAX

Poderosa extensão do CRM PipeRun para Google Chrome

Integra com mais de 40 aplicativos diferentes, incluindo WhatsApp Web, LinkedIn, Chats e muitos outros.

Acompanhe todas as novidades sobre Marketing e Vendas

Se inscreva em nossa newsletter e fique por dentro!