BPM: definição, aplicações e benefícios para as empresas

BPM (Business Process Management)

BPM é a sigla para Business Process Management que, em uma tradução para português, significa Gerenciamento de Processos de Negócio. Essa é uma disciplina que serve para aprimorar os negócios das empresas e a sua capacidade de organização (não importa o seu segmento nem o seu tamanho) e que tem a tecnologia como principal aliada.

Gerenciar negócios, mesmo que não sejam grandes, é uma tarefa complexa – e você sabe bem disso.

Muitas são as variáveis, os detalhes, e deixar escapar algo (mesmo que pequeno) pode ser decisivo para comprometer os resultados.

Por isso, a tecnologia tem um papel crucial, mas não só para organizar os processos. Ela é um diferencial competitivo importante para aprimorar a entrega e, claro, gerar mais valor para os clientes.

Mas, afinal, como o que é BPM? Como ele é aplicado nas empresas e quais os benefícios imediatos que ele traz?

Essas são perguntas que, a partir de agora começaremos a debater neste artigo. Ao final dele, esperamos que você tenha percebido a sua importância e também a maneira como ele pode impactar os seus negócios.

Vamos ver?

Boa leitura!

O que é BPM, Business Process Management?

O que é BPM, Business Process Management?

BPM trata-se de um conjunto de práticas focadas na melhoria ininterrupta dos processos de uma empresa.

A melhor definição para ela nos remete à uma disciplina de gerenciamento destes processos – sejam eles quais forem.

É, sem dúvida alguma, muito mais uma capacidade de organização, do que uma metodologia, conjunto de ferramentas ou estrutura de negócio.

E algo importante para que a empresa consiga conciliar a sua estratégia com as necessidades e expectativas de seus clientes.

Afinal, uma coisa está atrelada a outra: quando há um processo que funciona, isso se reflete na qualidade da entrega – e tudo isso é decisivo para o sucesso do cliente.

Uma das características que o BPM tem é a sua facilidade de adaptar à realidade das empresas. Logo, que fique claro: não há aqui um método ou script a serem seguidos.

Sua finalidade é sistematizar e também facilitar processos organizacionais (internos e externos) que são complexos e demandam atenção aos detalhes.

Isso acontece porque o Business Process Management traz à tona as informações realmente relevantes.

Controlar para tomar as melhores decisões: os aspectos do BPM

Ele expõe a forma como os processos precisam ser executados para que as melhorias sejam aplicadas na forma e tempos certos.

Assim, a partir daí, a tomada de decisão pode ocorrer de uma forma muito mais assertiva, com uma visão ampla e correta dos negócios.

O BPM é, portanto, essencial para as organizações atingirem as suas metas e objetivos – não importando o tamanho deles.

Essa realidade é possível por meio de gestão e controle de métodos. Técnicas e ferramentas para análise, otimização, aplicação e controle são também vitais.

Essa é uma prática que visa ter o controle total de todos os os processos que envolvem recursos humanos, financeiros, entre outros.

Para isso, alguns aspectos são fundamentais:

  • Inovação;
  • Estratégias;
  • Objetivos;
  • Cultura;
  • Flexibilidade;
  • Papéis;
  • Métodos;
  • Tecnologia.

As aplicações do BPM para as empresas

Aplicações do BPM, Business Process Management Tudo na vida requer organização. E, para ter processos fluindo, que funcionem nas organizações, é fundamental ter suas etapas bem definidas.

Defina, primeiro, o que a empresa precisa alcançar como objetivo. Digamos que seja treinar novos vendedores, ok? Quais as etapas que eles precisam obrigatoriamente percorrer para chegar ao nível desejado? Defina-as.

Depois, separe-as em módulo e aplique-os de forma organizada, cumprindo todo o caminho necessário. Mas, dentro de cada etapa, o que precisa ocorrer?

Quais requisitos são necessários para que se avance à seguinte? Estabeleça-os e, aí sim, mãos à obra.

Dito isso, separamos 4 aplicações do BPM dentro das organizações. Essa prática pode ocorrer para:

1 – Mapeamento dos processos

O primeiro passo, como acima falamos, trata-se de descobrir quais os detalhes fundamentais para o funcionamento do negócio.

A partir daí, é necessário documentar e organizá-los de forma clara e didática para todos. Ou seja, reunir o conhecimento necessário para cumprir a missão.

Essa é uma tarefa importante porque permite um conhecimento completo do processo e onde o gerenciamento está falhando.

Neste momento é possível, antes mesmos de colocar a mão na massa, identificar gargalos e agir em cima deles imediatamente.

Mais do que isso, ao mapear os processos, você já consegue prever os recursos necessários, estimar gastos e também entender quais pessoas se encaixam para cada ação durante os processos.

2 – Padronização dos processos

Depois, hora de buscar uma padrão e uma organização dos processos. E isso deverá ser seguido quase que à risca por todos os envolvidos.

Não se trata de seguir uma metodologia fechada. Cada empresa tem suas peculiaridades e voltar-se para um único método não é exatamente uma boa prática dentro do BPM.

Até porque, muitas são as pessoas envolvidas em diversas ações. Designar uma única forma de trabalhar, é bem possível que não ocorra a adaptação necessária à metodologia.

BPM, Business Process Management: processos padronizados

A padronização se refere-se aos requisitos a serem preenchidos para avançar as etapas no processos.

O foco é garantir que esse modus operandi possa ser replicado por qualquer pessoa até que se perceba que ele precisa ser modificado.

O aprimoramento é constante e, quanto mais pessoas envolvidas, mais insights se tem para eliminar gargalos.

3 – Melhoria dos processos

Essa prática diz respeito aos reparos adicionais que os processos precisam sofrer – tanto para conseguir o resultado final, como também garantir sua viabilidade. Para isso, é preciso:

  • analisar profundamente o processo vigente e entender como ele pode ser mais produtivo;
  • criar um fluxo de trabalho que otimize o tempo e seja voltado para produzir mais e entregar mais valor aos clientes;
  • documentar as melhores práticas para cada tarefa e buscar um modelo de fácil entendimento para os colaboradores.

Mais do que isso, é fundamental ter um time capacitado para redesenhar o processo – se isso for necessário.

E a implementação das melhorias precisa ter alguns “guardiões”, aqueles que ajudarão a acelerar o conhecimento dentro dos times.

4 – Otimização dos processos

Por fim, depois de mapear, padronizar e aplicar as melhorias, a otimização dos processos é algo inevitável dentro da capacidade de organização que o BPM prega.

Redução dos custos, riscos e conhecimento fluindo dentro da empresa. E, de novo: isso se mostrará em qualidade na entrega para o cliente.

Mais do que isso: a confiança e a autoestima também serão maiores no ambiente de trabalho, o que é fundamental para uma cultura organizacional sempre forte nas organizações.

As vantagens do Business Process Management

Vantagens do BPM, Business Process Management:

Quando essa capacidade de organização é elevada ao máximo, as vantagens começam a aparecer dentro das empresas.

Depois da aplicação correta, é hora de mostrar o valor que a empresa tem. E as vantagens que o BPM traz às organizações são inúmeros.

Aqui, separamos 5 para analisarmos melhor. Confira:

1 – Processos mais transparentes

Quando há comunicação e clareza nas ações, a motivação está em alta nas empresas. E um gerenciamento correto de processos proporciona isso.

A transparência é algo fundamental para que todos os colaboradores fiquem cientes do que e como precisam fazer. Isso cria uma cultura colaborativa e gera uma sinergia (tão fundamental) entre os times.

Mais do que isso, quando as pessoas enxergam o valor do seu trabalho e como ele se reflete para toda a empresa, o engajamento com a rotina é muito maior.

2 – Produtividade elevada

Sem gargalos, com o time adequado e as melhores práticas sendo conhecidas, a produtividade interna é elevada. A padronização dos processos é a locomotiva de tudo isso.

É um passo necessário para evitar o retrabalho que, inevitavelmente, levará à frustração.

Logo, a organização mostra-se novamente fundamental. Utilizar um sistema no modelo kanban, por exemplo, é algo de enorme valia.

Desta forma, e forma ampla e clara, é possível perceber todos os detalhes necessários para produzir mais e melhor diariamente.

3 – Redução dos custos

BPM, Business Process Management: redução de custos

Com processos mais eficientes, maior produtividade e consequentemente menos retrabalho, a redução dos custos é iminente.

Afinal, os processos tornam-se mais eficientes e os colaboradores não precisarão debruçar-se por horas a fio para cumprir suas tarefas.

Quando isso acontece, as pessoas têm mais tempo e disposição para contribuir com mais insghts que refletirão em ganhos reais para as empresas.

E isso, sem dúvida alguma, é uma vantagem para ser ainda mais competitivo em relação ao mercado.

4 – Controle maior

Indicadores de performance (KPIs) são fundamentais para que o BPM funcione corretamente e que haja um controle total sobre os processos.

Quando há controle, há gestão. Por isso, a tecnologia mostra-se tão importante.

É ela quem irá propiciar o controle necessário do que já foi feito e do que ainda vai ocorrer.

Mais do que isso, com relatórios específicos de cada período e o registro de cada atividade, os gestores podem saber se as melhores práticas foram ou não aplicadas e se elas ainda fazem sentido para o negócio.

5 – Satisfação maior dos clientes

O foco no cliente é algo inegociável para as empresas. O BPM serve para manter esse pensamento constante para todos.

Uma entrega qualificada, em menos tempo, aumenta a satisfação dos clientes e geram valor para todos.

Quando isso acontece, não só é possível satisfazer seus consumidores, como também fidelizá-los e torná-los evangelizadores de sua marca.

Faça o BPM pelo seu CRM

BPM, Business Process Management e o CRM

Um CRM é muito mais do que um sistema de vendas. O software, por não limitar a criação de pipelines, serve perfeitamente para organização de qualquer tipo de processos.

Se você tem um processo e tem etapas bem definidas, então você pode gerenciá-lo por meio da ferramenta. O processo de vendas é só um dos tantos que podem ser controlados por lá.

No caso que citamos acima, no treinamento de uma equipe, você aproveita o funil no estilo kanban para conseguir entregar cada módulo do treinamento da melhor forma possível.

Ou, que tal usar para entrevistar um candidato à uma vaga de emprego. Ele preenche o formulário de inscrição e já cai em uma automação com instruções do que fazer.

E se você quiser gerenciar as reservas de seu estabelecimento? Aproveite e a integração com a agenda público, configure as etapas necessárias e tenha todo o controle.

As possibilidades são inúmeras. Se há processos e há etapas definidas, o CRM é seu aliado estratégico para uma gestão sempre mais eficiente.

E aí, como podemos te ajudar?

Se você ficou com dúvida sobre o artigo ou deseja saber melhor o papel do CRM para controle de processos, fale com um consultor ainda hoje.

Aproveite e leia dois artigos que ajudarão você a ter maior produtividade no dia a dia.

O primeiro traz algumas dicas sobre como ter uma gestão administrativa que seja realmente eficiente.

Já o segundo fala sobre como a metodologia OKR ajuda a trazer melhores resultados dentro das organizações.

Boas vendas!

Um abraço do PipeRun, o seu CRM. #RunPipeRun

Compartilhe
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no twitter

PipeRun MAX

Poderosa extensão do CRM PipeRun para Google Chrome

Integra com mais de 40 aplicativos diferentes, incluindo WhatsApp Web, LinkedIn, Chats e muitos outros.

Acompanhe todas as novidades sobre Marketing e Vendas

Se inscreva em nossa newsletter e fique por dentro!